Notícias

29.05.2020Presidente da FCC recebe representantes da classe artística para debater medidas contra a crise

A presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro, reuniu-se na tarde desta sexta-feira (29/5) com representantes da classe artística, atendendo ao pedido formulado por um grupo de entidades, coletivos, produtores e empresários culturais, com a finalidade de criar uma agenda e ajudar na construção de medidas de enfretamento da situação de crise do setor nesse período de pandemia de covid-19. O encontro aconteceu na sede da Prefeitura com todos os cuidados de distanciamento e prevenção contra a doença.

Os representantes da cultura relataram as dificuldades que estão enfrentando, lembrando que a cadeia produtiva da cultura é muito mais ampla e não se limita aos artistas. Há uma série de outros profissionais, técnicos e trabalhadores ligados ao setor cultural que igualmente estão passando por dificuldades.

Ana Cristina propôs na reunião que o Conselho Municipal de Cultura, que é um colegiado com representação dos artistas, seja o interlocutor nesse diálogo, de forma que toda a classe possa participar, formulando propostas e soluções.

“Vamos estudar mecanismos legais e possibilidades jurídicas para rever os projetos do Fundo Municipal da Cultura e do Mecenato Subsidiado e adaptá-los ao formato virtual enquanto perdurar a pandemia, permitindo movimentar e fomentar a economia da cultura”, explicou Ana Cristina. Segundo a presidente da FCC, um segundo edital para aquisição de conteúdos audiovisuais será lançado e a ideia é que os artistas também participem da elaboração desse novo edital.

A atriz e diretora teatral Eliane Berger, presidente do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversão do Estado do Paraná (Sated-PR), apoiou a proposta e sugeriu que o novo edital atenda prioritariamente os técnicos do setor. “Estamos todos numa situação complicada, mas eles estão numa condição muito pior. Estão sem saída”, disse Eliane. A presidente do Sated considera que os profissionais de iluminação, sonorização, cenotécnicos, entre outros, podem participar do edital produzindo lives e mostrando como funciona esse mundo atrás dos palcos, que o público não vê, mas é muito importante.

Medidas

Ana Cristina de Castro relatou o trabalho que a Fundação Cultural vem desenvolvendo nesse período de emergência em saúde pública e expôs as iniciativas implementadas para apoiar os trabalhadores da cultura e ao mesmo tempo continuar oferecendo à população o acesso aos bens culturais. Leia mais

A presidente da FCC contou também que o edital emergencial lançado pela FCC no dia 14 de abril e já praticamente finalizado serviu de referência para outras capitais. “Algumas cidades como Salvador, Fortaleza e Cascavel nos procuraram para receber informações e adotar o mesmo modelo. Isso mostra que Curitiba saiu na frente, mas sabemos que temos que continuar buscando alternativas e estratégias para superar essa crise”, declarou.

Téo Ruiz, representante do Coletivo Coragem, agradeceu a oportunidade de expor essas questões. “Tudo o que estamos vivenciando é algo novo, ninguém sabe realmente como agir, mas essa aproximação entre a Prefeitura e os artistas pode resultar em ideias que vão fazer a diferença, e que vão ser a resposta da economia criativa a essa crise”, afirmou.

Participaram da reunião a chefe de gabinete do prefeito Rafael Greca, Cibele Fernandes Dias, os diretores da Fundação Cultural, Cristiano Morrissy e Loismary Pache, o procurador da FCC Paulo de Tarso Camargo Santos, e o superintendente da Secretaria Municipal de Finanças, Breno Lemos. Como representantes da classe artística estiveram presentes ainda Isadora Rodrigues e Márcio Juliano da Silva, do Coletivo Coragem, e Adriano Esturilho, produtor cultural e também vice-presidente do Conselho Municipal de Cultura.

 

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: Fundacao Cultural de Curitiba

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar