Agenda de Artes Visuais

[Museu Municipal de Arte] BIENAL DE QUADRINHOS

SONHAR CURITIBA
EXPOSIÇÃO COLETIVA
(Sala 1)
Seguindo o tema desta edição, “A Cidade em Quadrinhos”, nossos artistas são convidados para um desafio e uma reflexão: que cidade imaginam para o futuro? O resultado dessa observação crítica poderá ser apreciado em obras de tamanhos e técnicas diversas, como grafite, colagem, ilustração e em meio digital.

OLHAR A CIDADE
RESIDÊNCIA SESI-BIENAL
(Sala 1)
As obras expostas são o resultado do processo criativo proposto na Ação Residência SESI-Bienal.
Guazzelli resgata uma lembrança da infância em Vacaria e a transporta para Curitiba, seja em momentos já vividos na capital paranaense ou buscando sua infância no cenário das casinhas de madeira. Luli Penna embarca no ônibus para olhar a cidade pela janela em movimento. Quintanilha descobre o ArtDeco esquecido pelo tempo e pela administração pública. Guilherme Caldas é o nosso "batedor" que percorre a cidade de bicicleta, de norte a sul, de leste a oeste.
Curitiba vista pelos olhos e traços dos artistas convidados Marcello Quintanilha, Luli Penna, ElloarGuazzelli e Guilherme Caldas.

CIDADE NANQUIM
ELLOAR GUAZZELLI
(Sala 1)
Cidade Nanquim é uma cidade imaginária que cresce, dia a dia, há quase 30 anos. Através do desenho, Gazzelli dá vida a uma cidade imensa e rica em detalhes. Desde 1990, sua cidade tem sido construída em módulos de folhas A4, que são montadas feito um outdoor, distribuídas em quatro tiras horizontais.
O desenho de Gazzelli tem hoje aproximadamente 30 metros de comprimento por um metro de altura. Cada módulo é desenhado em naquim sobre papel, sem esboço prévio.

KEY IMAGUIRE (Sala Domicio Pedroso)
O arquiteto, professor e colecionador de quadrinhos, Key Imaguire é uma figura histórica da cidade, professor na Universidade Federal do Paraná, tendo parte da sua vida profissional dedicada a pesquisar a arquitetura como produto cultural. A exposição reunirá obras de seu espetacular acervo particular de quadrinhos, textos e crônicas, projetos de arquitetura e urbanismo, objetos pessoais e curiosidades.

CIDADE DE SANGUE: QUADRINHOS A FERRO E FOGO
JULIO SHIMAMOTO
(Sala Domicio Pedroso)
JulioShimamoto é uma legenda dos quadrinhos brasileiros, com uma carreira que ultrapassa cinco décadas marcadas por diversidade e experimentação. Em 2018 lançou CIDADE DE SANGUE, seu mais recente álbum, completamente desenhado com maçarico e ferro de solda sobre papel térmico. Na exposição Quadrinhos a Ferro e Fogo teremos a oportunidade de acompanhar todo o peculiar processo criativo de Shima nesta obra –um caso único no mundo das HQs.

FACHADAS
RAFAEL SICA
(Sala Célia Neves Lazarotto)
A exposição apresenta os desenhos de Rafael Sica, cronista do cotidiano e da sociedade. Seu trabalho é silencioso, mas permeado de sutilezas, humor e significados. Fachadas é uma série sobre uma cidade que existe. Ou, então, é uma série sobre uma pequena cidade dentro de uma grande cidade. Ou é uma série sobres as casas de uma rua mal iluminada. Ou, enfim, Fachadas é uma série sobre uma cidade imaginária.

MÚSICA PARA ANTROPOMORFOS
FABIO ZIMBRES
(Sala Célia Neves Lazarotto)
MÚSICA PARA ANTROPOMORFOS é o título da parceria entre o ícone do quadrinho alternativo brasileiro Fabio Zimbres e a banda de rock Mechanics. Lançado em 2007 como um disco-livro, o projeto teve desde então diversos desdobramentos: shows, performances, trilha sonora, livro teórico e mesmo um curta-metragem em desenho animado. A exposição homônima é uma releitura feita por Zimbres dos 15 capítulos/músicas que compõem a obra original – que acaba de ganhar nova edição pela Zarabatana Books.

CASTANHA DO PARÁ
GIDALTI JR
(Sala Célia Neves Lazarotto)
Obra vencedora do 59º Prêmio Jabuti, a mais importante premiação literária do Brasil. O romance gráfico Castanha do Pará reconta, em forma de fábula, uma situação cada vez mais comum nos dias de hoje: Castanha é um menino-urubu que vive suas aventuras pelos cenários do tradicional mercado público Ver-o-Peso, em Belém. Mora sob o céu aberto e sobrevive dos furtos e das migalhas de atenção que sobram do mundo ao seu redor. O romance gráfico de estreia de Gidalti Moura Jr. abusa da expressividade na pintura para dar vida a este conto urbano, criando uma visão lúdica e ritmada para a poesia da dura realidade.

CUMBE
MARCELO D´SALETE
(Sala Célia Neves Lazarotto)
Em Cumbe, Marcelo D’Salete retrata de forma inovadora a luta dos negros no Brasil colonial contra a escravidão. A exposição apresenta as artes dos quadrinhos emocionantes, protagonizadas por escravizados, mostrando a resistência contra a violência das senzalas brasileiras. Cumbe, a palavra banto que dá nome à obra, é rica em sentidos: é o Sol, o dia, a luz, o fogo e a maneira de compreender a vida e o mundo. Também é um sinônimo de quilombo.

ANGOLA JANGA
MARCELO D´SALETE
(Sala Célia Neves Lazarotto)
Angola Janga, “pequena Angola” ou, como dizem os livros de história, Palmares. Por mais de cem anos, foi como um reino africano dentro da América do Sul. Formada no fim do século XVI, em Pernambuco, a partir dos mocambos criados por fugitivos da escravidão, Angola Janga cresceu, organizou-se e resistiu aos ataques dos militares holandeses e das forças coloniais portuguesas. Tornou-se o grande alvo do ódio dos colonizadores e um símbolo de liberdade para os escravizados. Seu maior líder, Zumbi, virou lenda e inspirou a criação do Dia da Consciência Negra.
 

mais

[Museu da Gravura] BORDADURAS – COISAS DE ALICE

Após surpreender público e crítica em 2013, o projeto Bordaduras - Coisas de Alice, das artistas visuais Giovana Casagrande e Leila Alberti, apresenta um suporte diferente para o bordado, até então não utilizado na arte contemporânea. No próximo dia 27 de outubro acontece o lançamento do livro homônimo que leva a assinatura das artistas, com colaborações de Marília Diaz, Tânia Bloomfield, Celaine Refosco e Walter Guerreiro. A obra, que relata o processo de criação do bordado sobre porcelana, será lançada no Solar do Barão (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533), a partir das 15h do dia 27/10, em evento aberto ao público.

Em 2013, a exposição Bordaduras – Coisas de Alice foi um sucesso de crítica e público ao inaugurar um formato inédito no universo das artes plásticas, utilizando como ponto de partida o universo da personagem Alice, de Lewis Carroll. Juntas, Giovana e Leila criaram uma técnica inédita, a do bordado sobre porcelana, em um diálogo com dois suportes aparentemente distantes. Com a escolha e a desconstrução das técnicas do costurar, bordar, crochetar, tricotar e colar, as artistas abriram espaço para discutir a dicotomia entre arte e artesanato, e entre arte e produção industrial, trazendo à tona o movimento da arte têxtil.

“Nós valorizamos e acreditamos na relevância do movimento da arte têxtil dentro das artes plásticas. Historicamente, o uso dos tecidos, fios e linhas foi visto como uma arte menor, menos criativa, e a nossa proposta é mostrar a relevância da materialidade têxtil, que no exterior encontra há anos espaço em grandes galerias e museus”, conta Giovana. O rompimento da técnica é a característica do projeto desenvolvido pelas artistas, constituído pelo imaginário de Giovana e Leila. Giovana aposta na gestualidade, o acaso, no ponto mais apertado. Já Leila utiliza o ponto mais aberto, a frouxidão, com o protagonismo do desenho e da pintura.

“Nas porcelanas que encapsulamos não há ponto cruz, varicor, ponto atrás, caseado, anchor mouline. Não há também entremeio e bainhas abertas. Lá estão os nós, os ziguezagues, as laçadas espontâneas, o preenchimento do espaço com a sobreposição dos pontos e o bordado repuxado, utilizando as cores como na pintura”, diz Leila. No evento de lançamento, o livro Bordaduras – Coisas de Alice será vendido por R$ 50 (valor promocional de lançamento) e algumas peças da exposição também estarão expostas e à venda.

Sobre Bordaduras - Coisas de Alice

O projeto Bordaduras – Coisas de Alice estreou no Museu Alfredo Andersen e na sequência, com a parceria de Cláudia Lara, foi um dos 25 trabalhos selecionados para o 66º Salão Paranaense, uma das mostras mais importantes do país. A inspiração veio do livro clássico Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, um texto repleto de encantamento e fantasia, que há mais de 100 anos serve de inspiração para artistas de todos os segmentos.

Durante 18 meses e 4 mil horas Giovana Casagrande e Leila Alberti desenvolveram o projeto. Com experiências e exposições em outras cidades, encerram um ciclo de seis anos com o lançamento do livro sobre a exposição por meio da Lei do Mecenato – FCC e com o importante apoio da Opus Multipla e da Cartrom Embalagens.

O suporte escolhido foi a porcelana, com sua brancura asséptica, maculada pela profusão de cores dos fios de vários calibres. Com agulhas, bastidores, tesouras e fios, as artistas bordaram, tricotaram e crochetaram a porcelana, encapsulando os objetos que remetem ao universo de Alice, como bules, xícaras, vasos, bibelôs de gatos, coelhos, cachorros, corujas, elefantes, entre outros.

Diferentemente do que ocorria no início do século passado, quando as mulheres cobriam utensílios e mobiliários com tecidos, os olhares interpretativos de Giovana e Leila as levaram a encapsular permitindo ainda sua visualização, desvelando partes da porcelana a partir do ponto aberto, das tessituras largas.

Com esse trabalho, a dupla criou novos sentidos para o bordado, ressignificando antigas manualidades dadas como femininas. Algumas obras receberam nomes alusivos ao universo de Carroll e também homenageiam grandes mulheres – outras “Alices” – como Sônia Delaunay, Efigênia Rolim, Marina Abramovic, Beatriz Milhazes e Lygia Clark.

Ficha Técnica

Edição e Organização | General Editor
Leila Alberti e Giovana Casagrande

Texto Principal | Body Text
Marília Diaz

Textos de Apoio | Supporting Texts
Tânia Bloomfield, Walter de Queiroz Guerreiro e Celaine Refosco

Fotografia | Photographers
Joel Rocha, Shigueo Murakami e Laila Puppi

Revisão de Textos | Proofreading
Antônia Schwinden

Versão para o Inglês | English Version
Fábio Alberto e Silva e João Paulo Pimentel

Elaboração do Projeto | Project Manager
Mônica Drummond

Marketing Cultural | Cultural Marketing
Cultural Office

Projeto Gráfico | Graphic Design
Adriana Alegria

Impressão | Printed by
Maxigráfica

mais

Cursos e Oficinas

[Boa Vista] PAPEL ARTESANAL

 

Data(s): Toda 5ª feira

Local: Av. Paraná, 3600, sala 45 - Boa Vista

Valor: 55 (mensais)

Classificação: 12 anos

Professor: Vanderlei Fraga Silveira

[Boa Vista] INICIAÇÃO AO MOSAICO

 

Data(s): Toda 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª feira, sábado e domingo

Local: Av. Paraná, 3600, sala 45 - Boa Vista

Valor: 55 (mensais)

Classificação: 15 anos

Professor: Vanderlei Fraga Silveira

[CIC] MANGÁ

 

Data(s): Toda 2ª feira

Local: Rua Manoel Valdomiro de Macedo, 2460 - CIC

Valor: 55 (mensais)

Classificação: livre

Professor: Ariel Moraes

[Portão] DESENHO E ILUSTRAÇÃO

 

Data(s): Todo sábado

Local:

Valor: consultar pelo fone (41) 99827-4971

Professor: Henrique Nogozzeki Camargo

PINTURA EM TELA

 

Data(s): Toda 3ª, 4ª e 5ª feira e sábado

Local: Av. Prefeito Maurício Fruet, 2150 , esquina com a Rua Professor Nivaldo Braga - Cajuru

Valor: R$55,00 (mensalidade)

Classificação: 9 anos