24.09.2015Dia do Cigano é comemorado pela comunidade em Curitiba

As músicas e os ritmos ciganos embalaram a tarde desta quarta-feira (23) no Memorial de Curitiba, onde os integrantes da comunidade residente em Curitiba estiveram reunidos para comemorar pela primeira vez o Dia Estadual dos Ciganos. Com trajes típicos, saias rodadas coloridas e muitos adereços, as ciganas fizeram apresentações de danças e mostraram um pouco da importância da mulher na cultura desse povo. A participação do homem cigano também é marcante na apresentação de músicas típicas.

A comunidade cigana em Curitiba é composta de aproximadamente 300 pessoas.

>> Para celebrar o dia do Povo Cigano no Paraná, lideranças ciganas que têm Curitiba como base foram homenageadas num ensaio fotográfico realizado no Jardim Botânico. Confira as fotos!

“Organizamos essa agenda para dar visibilidade ao povo cigano em Curitiba e no Paraná, que ainda sofrem muita discriminação”, afirmou o assessor de Direitos Humanos da Prefeitura de Curitiba, Igo Martini. A comemoração foi organizada em parceria com a Fundação Cultural de Curitiba. “Não há política cultural sem que, em primeiro lugar, se respeite a diversidade. O segundo ponto importante é o de garantir o nosso direito à memória”, ressaltou o presidente da Fundação Cultural, Marcos Cordiolli.

Para lembrar as raízes históricas e de memória, os ciganos armaram barracas no piso térreo do Memorial. No local, deixaram em exposição objetos e símbolos tradicionais, como uma imagem da santa Sara Kali, padroeira dos povos ciganos. De tradição milenar, até décadas passadas o casamento só acontecia entre os clãs ciganos, atualmente já se permite o casamento com pessoas de fora dos clãs.

No entanto, ainda se mantém uma das características mais tradicionais que é a função do homem de comercializar, enquanto a mulher deve sair às ruas uma vez por semana para a leitura de mãos, entre as mais conhecidas. A tradição habitualmente é exercida pelas mulheres mais velhas, “que tem mais sabedoria”, chamadas de Babas, mas elas também se dedicam a leitura de runas e baralhos.

As mulheres ciganas garantem que a leitura de mãos é uma cultura milenar repassada de mãe para filha. A cigana Iglacir Santos Gavião, de 80 anos, explicou que as mulheres que atualmente vão para as ruas são as acampadas. “Elas fazem a leitura de mãos para ajudar ao marido. Vivemos em nossas casas hoje, mas há muitos ciganos pelas ruas, debaixo das pontes, que são muito marginalizados porque acreditam que o cigano mata e rouba.”

“Esta comemoração é muito importante. É preciso trabalhar pela superação do preconceito, da discriminação e da perseguição, que o povo cigano sofreu por décadas. Temos que contribuir para um processo civilizatório na construção de uma sociedade melhor e mais justa”, ressaltou o procurador de Justiça, Olímpio de Souto Major Neto. O evento também contou com a presença do Inspetor Cláudio Frederico de Carvalho, da Guarda Municipal, e de representantes das secretarias municipais da Educação e da Mulher.

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: SMCS

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar