29.11.2017Praça da Espanha vai ser palco para cultura com inclusão

Para celebrar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, comemorado em 03 de dezembro, nesta sexta, (01/12) a Praça da Espanha recebe o Festival #MudandoOmundo. Mais de 50 artistas vão se apresentar no palco da praça. Durante todo o evento, que será das 9h às 16h, haverá tradução de libras. A entrada é franca e livre para todas as idades.

A abertura do festival contará com a presença do prefeito Rafael Greca e demais autoridades. Logo após, o Projeto Lyra, do curso de Design da Universidade Federal do Paraná (UFPR), vai apresentar a proposta de criação de acessórios para cadeiras de rodas. E na sequência, estilos musicais diversificados, como Rap, Reggae, passando pela MPB ao Rock serão tocados no palco.

A artista Amanda Lyra vai se apresentar no Festival. Ela tem Atrofia Muscular Espinhal e no ano passado sofreu um acidente. O fato antecipou sua ida para a cadeira de rodas. Amanda comenta que ainda é precária a acessibilidade na arte, inclusive para os artistas. “Em locais como teatros, por exemplo, é pensada apenas a acessibilidade para o público em geral. Raramente é pensado na acessibilidade de um artista com deficiência”, avalia.

De acordo com Amanda, que também é uma das organizadoras do evento, um dos focos do festival é passar ao público, a ideia de representatividade. “Mais de duas mil pessoas com deficiência estarão assistindo aos shows. Talvez essas pessoas jamais conseguissem sair de casa para assistir, e além disso, verão pessoas com deficiência, assim como eles, tocando, seguindo em frente e mostrando que deficiência não é atestado de incapacidade, mas que cada um pode achar um meio alternativo de fazer o que ama, ou descobrir novos talentos”, afirma.

Para Jordana Soletti, também organizadora do #MudandoOMundo, o evento é a concretização de um sonho e traz um legado. “Estamos realizando um sonho. Pessoas sem deficiências podem começar a enxergar o mundo com outros olhos, pois há um turbilhão de beleza e amor nas pessoas com deficiência. E se todos pensarem no próximo, o mundo inteiro pode se tornar realmente inclusivo. O evento será muito importante, pois traz tudo isso intrínseco no poder da música e do amor, da solidariedade”, conclui.
O evento é uma idealização das artistas Amanda Lyra e Jordana Soletti, ambas do Projeto Solyra e da Coordenadoria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, da Prefeitura de Curitiba e tem o apoio da Fundação Cultural de Curitiba.

Projeto Solyra – Tem o objetivo de levar arte com acessibilidade para crianças e adultos com vários tipos de deficiência, da motora à intelectual. A ação visa despertar a sensação de mudar o mundo por meio de ferramentas como a arte, a superação e o amor ao próximo.

Cinema – Em dezembro, os espaços da Fundação Cultural de Curitiba promovem outras atividades relacionadas à inclusão. De 30 de novembro a 13 de dezembro, o Cine Guarani terá em cartaz, nas sessões das 17h, o documentário “Olhando para as estrelas” (2017), de Alexandre Peralta. O filme faz um retrato de duas dançarinas que fazem parte da única escola de balé para cegos do mundo.

Geyza Pereira e Thalia Macedo são as protagonistas. Ambas perderam a visão durante a infância. Seus relatos emocionam pela contundência e pelo sofrimento imposto a uma criança, mas suas histórias vão além do desafio de dançar sem uma referência visual. Como muitos de nós, essas mulheres querem ser boas profissionais, parceiras e amigas, e trabalham duro para se tornar a melhor versão de si mesmas.

Dançar sem Ver - O Teatro Cleon Jacques do Centro de Criatividade de Curitiba apresenta no dia 15 o espetáculo “O grito da dança”, produzido por um grupo de pessoas com deficiência visual que participa do projeto “Dançar sem Ver”. Além dos participantes do projeto, foram convidados outros grupos, resultando num espetáculo diversificado, com danças de vários ritmos, como hip hop, forró, pop e samba.

A ideia, segundo um dos organizadores, o professor de Educação Física Jacob Cachinga, é celebrar as diferenças, contribuindo para uma conscientização sobre a inclusão. “Seja qual for a diferença ou deficiência, somos todos seres humanos. São as nossas diferenças que fazem o mundo melhor”, diz Jacob. O espetáculo também comemora o Dia Nacional da Pessoa com Deficiência Visual (13 de dezembro).

O projeto Dançar sem Ver começou há cerca de dois anos, com uma parceria formada pela bailarina Pamela Shiroma, o professor Jacob Cachinga e a Escola de Dança Conceito, onde são realizadas as aulas de dança de salão para casais de pessoas com deficiência visual. A metodologia envolve três estímulos: oral, em que os professores descrevem cada passo para os alunos; sonoro, que permite aos alunos aprender, através da música, a identificar o ritmo e dançar no compasso musical; e o estímulo tátil, em que os professores com o toque aperfeiçoam a técnica de cada casal.

Serviço:

Festival #MudandoOmundo
Local: Praça da Espanha
Data e horário: 01 de Dezembro, das 9h às 16h
Classificação indicativa: livre
Entrada: gratuita

Programação completa do Festival #MudandoOmundo
9h – Abertura com prefeito e autoridades
9:20h – Apresentação de Luigi Poniwass / Projeto LYRA (UFPR)
9:40h–Amanda Lyra e Jordana Soletti
10h–Televetor
10h15– Javali Banguela + Fabio Elias + Renato Ximú
10h40- Operarios Dub + Rafiusk
13h –Ivanio Lira
13h30 –Paranóia + Loren & Giuliano
14h–Lucas Stival + TN’She
14h30 – Vivotrio
15h – Soul Brooklin
15h20 – Apresentação Projeto Solyra
15h40 – Encerramento – Todos os músicos (Músicas: Ana Júlia, É preciso saber viver e “Pro que Der e Vier”)
Garça Stival, Ronaldo Dom, Letícia Kivel, André Pulga, Ravi Brasileiro, Danilo Rudah, Marcelo Viana, Mônica Bezerra, Vinícius Mello, Jangui Sebastian, Acoustica, Cris Oliver, Red Francis, Luisão Andrade, Johaine, Rafiusk, Gus Piasecki, Gabi Nickel, Deni T, Daio Baroni.

Exibição de “Olhando para as estrelas”
Local: Cine Guarani – Portão Cultural (Av. República Argentina, 3430)
Datas e horário: de 30 de novembro a 13 de dezembro (exceto 03/12), às 17h
Ingressos: R$ 12 e R$ 6
Classificação: livre

Espetáculo “O grito da dança” com os participantes do projeto Dançar sem Ver
Local: Teatro Cleon Jacques – Centro de Criatividade de Curitiba (R. Mateus Leme, 4.700)
Data e horário: 15 de dezembro (sexta-feira), às 20h
Ingressos: R$ 30 e R$ 15

 

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: Fundação Cultural de Curitiba

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar