23.04.2019Artistas do bem: voluntários da Rede Sol levam arte a pessoas com deficiência e acamados

(Com fotos de Cido Marques)

Levar a arte para quem não pode ir ao encontro dela é o objetivo da Rede Sol, o programa de responsabilidade social da Fundação Cultural de Curitiba que promove a interação de artistas voluntários com pacientes de hospitais, centros de atendimento psicossocial, pessoas com deficiência e detentos do sistema penal. Desde 2017, 54 voluntários promoveram 325 atividades para 16 mil pessoas em 53 locais.

Uma das ações mais recentes aconteceu na Escola Municipal de Ensino Especial Ali Bark, no bairro Seminário, onde 170 estudantes com deficiência intelectual estão matriculados. Foi lá que o pianista da Orquestra à Base de Sopro Davi Sartori, músico convidado da Camerata Antiqua, tocou, no teclado, canções brasileiras para as turmas da manhã.

Foi a primeira apresentação do artista na escola em 2019. “Minha intenção é apenas que as pessoas que me escutam tenham um dia melhor”, explica o músico, habituado às salas de concerto lotadas por públicos de perfil diverso.

Sartori ficou sabendo da existência da Rede Sol há 13 anos e, a convite de um ex-aluno, logo aderiu ao grupo voluntário. Desde então levou outros músicos para participar. Com o tempo, conta, desenvolveu estratégias para conduzir as apresentações de acordo com a reação de cada público, sem a necessidade de planejar nada com antecedência. “São técnicas para prevenir as interferências dos ouvintes e melhorar o aproveitamento do que eles estão ouvindo”, explica Sartori, que faz cerca de dez espetáculos por ano em diferentes locais e não pensa em parar com essa atividade.

Alunos com deficiências, reações especiais

Para ouvir o músico, os estudantes da Escola Ali Bark trocaram a rotina de aulas pelo pátio interno da escola, improvisado em sala de espetáculo durante cerca de 40 minutos. Acompanhados pela equipe de professoras e pedagogas do local, eles ouviram temas de filmes, cirandas, cantigas de roda e sucessos da música brasileira – todos executados sem intervalos para ajudar a manter o foco dos ouvintes.

As respostas ao que o músico tocava, sempre sorrindo e percorrendo os olhos pela plateia, vinham de formas variadas do auditório atento e tranquilo. Quem conseguia se manifestar oralmente, começava a cantarolar tão logo identificava a canção. Os que não tinham condições para isso, balançavam os corpos, batiam palmas, gargalhavam ou apenas sorriam. Outros imitavam o pianista, simulando tocar um teclado no ar.

Os alunos com comprometimento intelectual e motor mais grave também interagiam, de acordo com suas condições, aos sons tirados do teclado por Davi Sartori. Estimulados pelas professoras, empenhadas em fazê-los manifestar algum tipo de reação, eles agitavam mãos e cabeças ou, com a ajuda delas, rodopiavam suas cadeiras de rodas.

Para a pedagoga Daisi Waculicz, que trabalha há 17 anos na escola de ensino especial, a parceria com a Rede Sol é fundamental na estimulação dos estudantes. “Principalmente a música atua nos aspectos cognitivo e de memória, a interação social e a comunicação inclusive para os que não se manifestam oralmente”, disse a educadora, que acompanhou a apresentação.

Artistas do bem

Assim como Davi Sartori, músicos e artistas de outras áreas podem se engajar à Rede Sol, fundada há 22 anos, quando a FCC estava sob a presidência da atual primeira-dama de Curitiba, Margarita Sansone.

Para isso, podem clicar sobre o bâner da Rede Sol no site www.fundacaocultural.com.br ou mandar um e-mail para redesol@fcc.curitiba.pr.gov.br. Outra forma de contato é ligar para (41) 3213-7571.

Segundo a coordenadora da Rede Sol, Marilene Correia, atualmente 80% das atividades são ligadas à música. “Mas representantes de outras áreas são bem-vindos”, observa. É o caso dos artistas circenses, que levam palhaços, mágicos e malabaristas às pessoas com deficiências ou acamadas.

No ano passado, conta Marilene, equipes do Circo Tihany, em temporada de espetáculos em Curitiba, participaram ocasionalmente da Rede Sol e fizeram performances em hospitais da cidade e da Região Metropolitana.

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: FCC

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar