05.01.20214 anos de trabalho: Prefeitura promove o desenvolvimento sociocultural e artístico

Recordes em participações na Oficina de Música, inauguração do Cine Passeio, abertura da Escola de Patrimônio – Liceu das Artes, lançamento dos programas MusicaR, Pavilhão Étnico, Vivências e Convivências 60+ e Praça do Circo, encenações didáticas nos aniversários da cidade, ressurgimento do Natal de Curitiba, investimento de R$ 70 milhões em projetos culturais, criação do Coreto Digital e lançamento do programa FCC Digital, adaptando as atividades culturais para os meios virtuais durante a pandemia de covid-19. Essas foram algumas das grandes realizações da Prefeitura na área cultural nos quatro anos da gestão do prefeito Rafael Greca.

O primeiro ano foi de reorganização. A FCC acompanhou as medidas de ajuste fiscal da Prefeitura e construiu as bases para os anos seguintes. Já em 2017, aconteceram quase nove mil ações e mais de 2,3 milhões de atendimentos. Pelo menos 60% das atividades ocorreram nos bairros.

Em 2018, já revigorada, a cultura ofereceu 12 mil ações em toda a cidade e mais de 2,8 milhões de atendimentos, sendo 66% nos bairros. Essa média se manteve no ano seguinte, com 12,2 mil ações e 2,78 milhões de participações. Isso garantiu programação cultural permanente na cidade, com ações diretas da Fundação Cultural e por meio de parcerias e contrapartidas sociais de empreendedores beneficiados pelo Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Prefeitura de Curitiba.

Os investimentos foram ampliados ano a ano, por meio de editais do Fundo Municipal da Cultura e do Mecenato Subsidiado e, em 2020, também com editais emergenciais. Ainda em 2019 se observou a forte retomada dos investimentos, quando o FMC teve 19 editais lançados, no valor de R$ 5,93 milhões, beneficiando mais de 300 projetos culturais. No Mecenato, restabeleceu-se o reequilíbrio entre os recursos disponibilizados e o número de projetos aprovados. Corrigiu-se a distorção vinda da gestão anterior, quando o número de projetos autorizados a captar recursos era maior do que a dotação orçamentária correspondente.

Em 2020, a inesperada situação de emergência sanitária imposta pela pandemia de coronavírus fez a Fundação Cultural se reinventar. O setor foi um dos mais afetados pela crise e o fechamento dos espaços culturais levou a Fundação Cultural a adotar soluções inovadoras, para continuar atendendo a população e para prestar auxílio aos trabalhadores da classe artística.

“Em quatro anos, a Fundação Cultural revigorou a cultura da cidade por meio de uma política voltada a promover o desenvolvimento sociocultural e artístico, com avanços significativos no atendimento dos trabalhadores do setor cultural e da população de todos os bairros”, avalia a presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro.

 

Cine Passeio e novos espaços para a cultura

Nesses quatro anos, Curitiba ganhou novos espaços para atividades culturais. O grande destaque é o Cine Passeio.

Resgatando o conceito de cinema de rua, o espaço tornou-se importante referência do setor audiovisual tanto pela sua programação quanto pelas instalações físicas.

O complexo ocupa a edificação de um antigo quartel, revitalizada e adaptada para duas salas de cinema (Salas Luz e Ritz), um estúdio de audiovisual, cinema ao ar livre, cafeteria, sala on demand e estações de trabalho do Worktiba.

No primeiro ano (março/2019 – fevereiro/2020), foram mais de 81 mil ingressos vendidos. O Cine Passeio também foi eleito um dos 20 cinemas mais legais do mundo pela Revista Exibidor, publicação especializada em serviços sobre o segmento cinematográfico.

A Escola de Patrimônio – Liceu das Artes é o mais novo ponto de referência da história e da memória da cidade. Ocupando um antigo casarão da Praça Garibaldi, o local é um centro de pesquisa em patrimônio cultural voltado a desenvolver ações de preservação do patrimônio, cursos de formação e capacitação técnica na área de restauro, além de atividades de educação patrimonial.

O projeto nasceu de um convênio entre a Prefeitura, por meio da FCC, e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR. É o primeiro centro de pesquisa com capacitação para restauradores. Firmado no final de 2019, possibilita a transferência de conhecimentos do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UTFPR, em associação com instituições internacionais de estudo e pesquisa como a École de Chaillot (França), La Sapienza (Itália), Universidade do Porto e o Instituto Politécnico de Tomar (Portugal).

Símbolo da associação entre tecnologia e cultura, o Coreto Digital é uma plataforma virtual para difusão de conteúdos audiovisuais de qualidade e grátis. Instalado no mais antigo parque da cidade, o Passeio Público, numa edificação igualmente histórica (o antigo coreto), a imensa tela curva de LED (25m lineares por 2m de altura) permite imagens em alta definição (pixels de 3.9 milímetros).

Também no Passeio Público foi instalado outro Coreto, para apresentações presenciais. Ele foi inaugurado em janeiro de 2020, para a 37ª Oficina de Música de Curitiba. Até o fim do verão, o pequeno palco de estrutura em madeira recebeu apresentações musicais nas tardes de sábado e domingo.

O Parque São Lourenço e o Centro de Criatividade de Curitiba receberam uma das principais obras da gestão. Uma reforma completa e inovadora do Centro de Criatividade deu lugar ao Memorial Paranista.

É um dos principais projetos do prefeito Rafael Greca, aliando cultura, meio ambiente e lazer. A obra homenageia os artistas que marcaram a história de Curitiba, em especial o escultor João Turim – um dos maiores mestres das artes paranaenses. O conjunto é formado pelo Jardim das Esculturas, onde ficam dispostas 12 obras do artista em grandes dimensões, a biblioteca, a cafeteria, a loja #CuritibaSuaLinda. Já o novo Centro de Criatividade de Curitiba conta com uma ampla sala de exposições de esculturas de Turim, ateliês e o Teatro Cleon Jacques.

A CIC, uma das regionais mais populosas, ganhou o Centro Cultural da CIC. Com 1.200 m² de área construída na Vila Nossa Senhora da Luz, o complexo cultural tem 1.200 m² de área construída e conta com um Cine Teatro, além de outros espaços para cursos e atividades culturais. A partir de 2021, o Cine Teatro terá espetáculos grátis de teatro, dança, música e circo nos finais de semana. A programação cultural foi definida por edital da Fundação Cultural de Curitiba.

O Bairro Alto, na Regional Boa Vista, ganhou o Centro Cultural Vilinha. Situado no Parque Histórico da Vilinha, o local oferece cursos de instrumentos musicais, pintura e teatro.

Também renasceram como espaços de cultura o Oratório de Bach, no Bosque Alemão, e a Capela da Glória, unidade de interesse de preservação localizada no Alto da Glória, restaurada e reaberta em 2019 por meio de um convênio entre a Prefeitura e a Mitra Diocesana.

Em relação às suas demais unidades, a Fundação Cultural de Curitiba desenvolveu Programa de Revitalização e Modernização de Espaços Culturais. Ao longo da gestão, trabalhou para recuperar e manter os espaços que administra em condições adequadas.

Desde 2017, várias unidades passaram por reformas e melhorias. No Memorial de Curitiba, foi instalada uma reserva técnica e aperfeiçoado todo o sistema de prevenção de incêndios, além de pintura e instalação de câmeras de segurança. Foi feita também a troca do piso do Teatro Londrina.

O Teatro do Paiol recebeu obras de acessibilidade, pintura externa, reforma do telhado, câmeras de segurança e iluminação cênica. O Bondinho da Rua das Flores também foi restaurado.

Pintura interna e externa, iluminação, troca de lâmpadas, reparos elétricos, entre outros serviços foram feitos também na Casa Hoffmann, Cinemateca, Casa Kozák, Solar do Barão, Casa da Memória, Memorial Polonês, Farol do Saber Miguel de Cervantes, Oratório de Bach, Teatro Novelas Curitibanas, Teatro do Piá e Engenho da Inovação (sede da FCC).

Em 2020, o Portão Cultural (onde funcionam o Museu Municipal de Arte – MuMA, o Teatro Antônio Carlos Kraide, o Cine Guarani e a Casa da Leitura Wilson Bueno) passou por ampla reforma. A reserva técnica do Museu foi totalmente reformada e ampliada dentro dos padrões técnicos de conservação de obras de arte.

Novos programas movimentam os bairros

A Prefeitura lançou o programa MusicaR, que leva a formação musical do Conservatório de MPB até os bairros, com a oferta de cursos integrados de musicalização para crianças e adolescentes no contraturno escolar.

O programa começou em 2017, nas regionais Cajuru e Tatuquara. Em 2018, passou a funcionar em oito regionais. Em quatro anos, 1.800 crianças passaram pelo programa. Elas participaram das Oficinas de Música de Curitiba, em cursos e também nos palcos – com os compositores Toquinho, em 2018, e Danilo Caymmi, em 2020no Teatro Guaíra lotado.

Voltado às artes cênicas, o programa Atuarte é dirigido à comunidade em geral. Três regionais já têm suas turmas de teatro.

O resgaste das tradições e a valorização dos povos formadores da identidade curitibana também tiveram acolhida nesta gestão. Em 2017 o prefeito Rafael Greca lançou o programa Pavilhão Étnico e uma coordenação exclusiva para atender as comunidades representativas das etnias de Curitiba. Todos os povos, indistintamente, tiveram espaço nas manhãs de domingo, no Memorial de Curitiba, para festejar suas tradições, em danças e costumes. Mais de 60 grupos folclóricos realizaram apresentações nesses quatro anos.

Em janeiro de 2019, para animar o verão das famílias e valorizar os artistas circenses, a Prefeitura de Curitiba estreou o programa Praça do Circo, reservando áreas do Parque Náutico e do Parque Barigüi para a montagem das lonas. O programa tem o objetivo de atender as companhias circenses nacionais de médio porte, selecionadas por editais do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba. As companhias Circo Rhoney Espetacular e Circo Zanchettini cumpriram temporada, somando-se ao já existente e um dos mais antigos programas da FCC: o Circo da Cidade Zé Priguiça, no Alto Boqueirão.

A atenção aos idosos é prioridade no programa Vivências e Convivências 60+. A ação começou em 2017 e se estendeu até o início de 2020. Por meio deste programa, idosos tiveram oportunidade de assistir gratuitamente a sessões de cinema e espetáculos teatrais, bem como visitaram exposições de arte e sobre a história da cidade. Entre 2017 e 2019, foram 9.773 participações.

 Programação vai da Oficina de Música ao Natal

A Prefeitura, por meio da Fundação Cultural de Curitiba e do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac), é responsável pela produção de alguns dos maiores eventos do calendário cultural da cidade.

A temporada começa com a Oficina de Música de Curitiba. O ano de 2017 foi de pausa e deu o fôlego necessário para garantir nos anos seguintes as três maiores edições da Oficina de Música.

Reconhecida como um dos principais festivais do país dedicados à formação musical, a Oficina teve mudanças importantes e a principal delas, que vigorou a partir da 35ª edição, em 2018, foi a realização simultânea das fases de música erudita e popular.

A 35ª edição reuniu cerca de 50 mil pessoas em 160 eventos. Foram ministrados 111 cursos por 104 professores para 1.400 alunos do Brasil e do exterior. A edição teve como uma das principais atrações o show de Toquinho e das crianças do MusicaR, além do concerto de Martinho da Vila com a Orquestra à Base de Corda.

Com um público de mais de 50 mil pessoas em 250 eventos, 60 deles gratuitos, a 36ª Oficina de Música atraiu 1.900 alunos de várias partes do Brasil e de outros países, em 116 cursos ministrados por 93 professores. Esta edição homenageou o compositor Waltel Branco, falecido dois meses antes, e contou com shows de artistas como Maria Rita, Rosa Passos, Hamilton de Holanda e Chico Brown.

Em janeiro 2020, a 37ª edição da Oficina homenageou os 250 anos de Beethoven e superou as edições anteriores em público e atrações. Foram mais de 250 eventos e 60 mil pessoas. Houve 127 cursos para 2.150 alunos. Foram destaques as ações de inclusão das pessoas com deficiência e o uso do Passeio Público como palco de apresentações. As principais atrações foram Yamandu Costa, João Bosco, Renato Teixeira e Danilo Caymmi, que se apresentou com as crianças do MusicaR.

“Isso é motivo de grande orgulho e legitima os profissionais de música com deficiência visual”, observou o violinista e professor com deficiência visual Luiz Amorim. Licenciado em Música pela Universidade Federal do Paraná, Amorim ministrou cursos no evento.

Preparativos do samba

No Carnaval, tão importante quanto o desfile na avenida Marechal Deodoro são os preparativos das escolas de samba, que nesta gestão contaram com a liberação antecipada da verba de apoio da Prefeitura. A publicação dos editais do Fundo Municipal da Cultura relativo ao Carnaval em agosto possibilitou a liberação da verba entre outubro e novembro. Com isso, as escolas de samba tiveram mais tempo para se preparar.

A partir de 2019, o desfile de carnaval passou a acontecer em dois dias (sábado e domingo), reunindo um público total de aproximadamente 40 mil pessoas.

Além disso, a FCC se organizou para atender os eventos pré-carnavalescos oficiais, como a eleição do Cortejo Real, as apresentações do bloco Garibaldis e Sacis na Marechal Deodoro e no Bairro Novo e a marcha Zombie Walk. Em 2020, considerando o crescente movimento, a Prefeitura também ofereceu estrutura de apoio aos blocos independentes.

O Aniversário da Cidade, em 29 de março, motivou inúmeras atrações culturais e recreativas. A Fundação Cultural organizou shows no Parque Barigui e também montou o Auto da Fundação de Curitiba – encenação sobre a história da cidade aberta para a comunidade e para as crianças da rede municipal de ensino nas Ruas da Cidadania.

Além do Auto da Fundação de Curitiba, destacaram-se: o Auto de Reis, apresentado no início de janeiro; a História do Samba, no pré-carnaval; o Auto da Independência do Brasil, na Semana da Pátria; e o Auto de Natal, que encerra o ano dos alunos das escolas municipais.

A Fundação Cultural forneceu infraestrutura de palco, som e iluminação para as encenações da Paixão de Cristo, feitas por grupos comunitários, na Páscoa, em regionais da cidade.

Junho é dedicado ao canto e, por meio da FCC e do Icac, a Prefeitura realizou a II, III e IV Semana de Canto Coral Henrique de Curitiba, de estímulo ao canto em suas diversas modalidades e vocações. Além de oficinas, houve concertos com grupos brasileiros e estrangeiros na Capela Santa Maria.

Devido à pandemia de covid-19, o evento de 2020 foi online. O destaque coube ao encerramento, reunindo 170 cantores do Brasil e dos Estados Unidos.

Tradição natalina

Curitiba voltou a reviver o Natal com brilho e emoção. Em 2017, a festa resgatou o espírito natalino e exaltou os valores culturais e as tradições dos povos que formaram a cidade. Em 2018, o grande destaque foi a encenação do auto “Espírito de Amor e Confraternização”, no Largo da Ordem – uma ópera a céu aberto, um show de luzes e cores, com anjos e personagens bíblicos nas sacadas de prédios históricos.

Em 2019, o auto encenado no Largo da Ordem foi reapresentado com novidades – como a projeção em 3D de imagens renascentistas de cenas e figuras natalinas na fachada do Memorial de Curitiba. Mas a terceira edição do Natal de Curitiba – Luz dos Pinhais teve 130 outras atrações da Prefeitura e de empresas privadas, 15% a mais que a anterior. Espetáculos de música, teatro, balé e ópera ocuparam o Centro Histórico, o Palácio Avenida, a Câmara Municipal, o Paço da Liberdade, a Catedral Metropolitana, a Capela Santa Maria, as Ruas da Cidadania e os parques.

O destaque foi ao auto Natal na Ilha da Ilusão, no Passeio Público. Houve também apresentação do balé Quebra Nozes, com as Ruínas de São Francisco e o Belvedere da Praça João Cândido como cenário. Óperas clássicas foram encenadas nas janelas do Palácio Garibaldi e a Laternfest, tradição germânica, levou luzes do Natal ao Bosque Alemão.

Em 2020, o Natal se adaptou às exigências de prevenção da pandemia de covid-19, e continuou oferecendo atrações inéditas. As principais atrações foram o Natal drive thru nos parques Barigui e Náutico, a programação natalina do Coreto Digital e os shows de luzes, músicas e cores na estufa do Jardim Botânico e no belvedere do Parque Tanguá.

Apoios aos eventos

A Prefeitura também participa e apoia os demais grandes eventos do calendário da cidade. Destacam-se: Mia Cara Curitiba, Bienal Internacional de Arte, Semana Cultural, Olhar de Cinema, Feira Internacional da Música do Sul, Mostra Paranaense de Dança, Imin Matsuri, Festival Folclórico de Etnias, Festival Internacional de Hip-Hop, Festival de Inverno do Centro Histórico, Subtropikal, Litercultura, Musicletada, Festival de Dança de Curitiba, Centro Histórico Divertido, Haru Matsuri, Shinobi Spirit, Encena Boqueirão, Festival de Ópera do Paraná, Mostra Espetacular de Artes para Crianças e Curitiba Jazz Festival.

Prefeitura incentiva e investe na produção cultural

Por meio das duas modalidades do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – o Fundo Municipal da Cultura e o Mecenato Subsidiado – a Prefeitura investiu quase R$ 70 milhões em projetos culturais em quatro anos

Os investimentos do Fundo Municipal de Cultura cresceram, totalizando R$ 13,5 milhões até 2019: em 2017, foram R$ 2,5 milhões para três editais; em 2018, o repasse dobrou e foram liberados R$ 5 milhões para 17 editais, beneficiando 192 projetos; e em 2019, o valor repassado foi de R$ 5,93 milhões para 19 editais, atendendo a 300 projetos culturais.

Destacam-se, nesse período, o lançamento de novos editais – como o de Apoio aos Artistas de Rua e o Experimenta 2020 para novas linguagens artísticas ligadas aos meios digitais. Também retomou o edital de circulação nacional e internacional, que apoia a apresentação de projetos curitibanos em outras cidades brasileiras e também em outros países. Em 2020, o valor do Fundo foi menor em razão da situação de emergência sanitária, ficando em R$ 2,4 milhões.

Na modalidade de Mecenato Subsidiado foram liberados em quatro anos um total de R$ 53,6 milhões. Foram R$ 12,8 milhões em 2017 que beneficiaram 250 projetos; R$ 13,7 milhões em 2018 para 111 projetos; R$ 13,55 milhões em 2019 para 106 projetos; e R$ 13,55 milhões em 2020 (com cerca de 95 projetos; número ainda não fechado). Com relação ao Mecenato, destaca-se a atuação da Diretoria de Incentivo à Cultura da FCC para restabelecer o equilíbrio entre o total de recursos disponibilizados e o número de projetos aprovados.

Em 2017 a gestão anterior deixou como dotação orçamentária o valor de R$ 12,8 milhões, porém aprovou um número de projetos bem maior, com um total incentivado de R$ 30 milhões. Isso fez com que os recursos naquele ano, e também em 2018, se esgotassem em poucos dias, ficando grande número de projetos sem recursos para captação.

Duas medidas, decididas em conjunto com a classe artística, foram adotadas para reduzir essa distorção. A partir do edital de 2017 foi aprovado um número de projetos até o limite da dotação orçamentária prevista para o ano seguinte. O edital de 2018 foi lançado no final do ano, em vez de ser lançado nos primeiros meses, como vinha acontecendo. Isso possibilitou que projetos aprovados nos anos anteriores pudessem captar recursos, antes que novos projetos fossem aprovados. Com essas medidas, o saldo de projetos aguardando incentivo baixou de 341 em 2017 para 166 em 2019, devendo ficar praticamente zerado em 2021.

Memória e patrimônio cultural

Na área de preservação do patrimônio histórico, a Prefeitura lançou em 2017 o programa Rosto da Cidade para revitalizar o centro histórico de Curitiba. A FCC, por meio da sua diretoria de Patrimônio Cultural, fez o acompanhamento da pesquisa histórica dos imóveis (em parceria com a UTFPR e o Projeto Arquivo). Foram revitalizados 19 imóveis públicos, entre eles edifícios ocupados e mantidos pela Fundação Cultural, como a Casa Romário Martins, a Casa Hoffmann e o Solar dos Guimarães.

A FCC atuou no Programa de Preservação do Patrimônio de Arte Escultural de Curitiba, acompanhando a retirada de bustos e hermas dos logradouros públicos para conservação e restauro. As 29 obras restauradas encontram-se em exposição no Memorial de Curitiba. Réplicas serão confeccionadas para substituir, nas praças, as peças originais. O programa prevê também o gerenciamento de informações dos monumentos.

Nesta gestão, o acervo municipal de obras em logradouros públicos ganhou peças de grandes artistas, como a estátua de Confúcio, doada pelo governo chinês na Bienal de Arte de Curitiba de 2017, instalada no Largo da China (Centro Cívico), e as esculturas “Curitiba”, assinada pela artista plástica Tomie Ohtake, e “Centenário da Amizade Brasil-Japão”, de Manabu Mabe, doada pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade, ambas instaladas na Praça do Japão.

Importante avanço foi a instalação do Conselho Municipal de Patrimônio Cultural. Em dois anos de funcionamento, o Conselho foi responsável por estudos e abertura de processos de tombamento de conjuntos arquitetônicos, de bens isolados, do Cemitério São Francisco de Paula e por registros de patrimônio imaterial, como a Feirinha do Largo da Ordem. Junto com o Conselho foi criado o Fundo de Proteção ao Patrimônio Cultural.

A Fundação Cultural passou a integrar o Sistema Pergamum de Museus, que abriu para acesso público todos os dados de acervo das suas unidades documentais.

O programa de Ação Educativa da FCC promoveu mediações em exposições artísticas dos museus e em roteiros que podem ser feitos a pé, em pontos essenciais para a compreensão da história da cidade: “Painéis de Poty Lazzarotto”, “Diversidade Religiosa”, “Setor Histórico”, “Solar do Barão”, “Construção da Identidade Paranaense” e “Erva Mate”. Entre 2018 e 2019, foram atendidos mais de dez mil visitantes.

Na educação patrimonial, também se enquadram as visitas guiadas ao Cemitério Municipal. Foram 138 edições com 6.650 participantes.

A Fundação Cultural também organizou exposições históricas, como “Curitiba Tempo e Memória”. A mostra pode ser vista no terceiro andar do Memorial de Curitiba e oferece aos visitantes uma viagem no tempo com a ajuda da tecnologia digital.

Entre 2017 e 2020 foram organizadas 15 exposições históricas, 12 eventos de palestras e seminários.

Entre as últimas realizações ligadas à preservação da memória da cidade esteve a inauguração da Escola de Patrimônio – Liceu das Artes (leia mais acima, em Cine Passeio e novos espaços para a cultura).

Ação cultural

A ação cultural do município também se dá por meio das coordenações de linguagens artísticas da Fundação Cultural de Curitiba.

Música – A Oficina de Música de Curitiba é o ponto de partida da temporada musical, mas ao longo do ano a Capela Santa Maria, o Conservatório de MPB e os grupos artísticos de música erudita e popular fomentam uma extensa agenda de shows e concertos, além de cursos nessas áreas.

A Camerata Antiqua de Curitiba, que celebrou os seus 45 anos com um concerto especial na Capela Santa Maria, em julho de 2019, manteve até o final daquele ano uma agenda permanente de concertos. A Camerata, a Orquestra de Câmara de Câmara Cidade de Curitiba e o Coro da Camerata fizeram concertos nas igrejas e em hospitais, e também realizaram concertos didáticos do programa Alimentando com Música. Em 2019, o programa fez apresentações no Teatro Positivo, para 2,5 mil alunos de 69 escolas da rede municipal de ensino.

A Camerata fez uma série de apresentações no Santuário Guadalupe, com transmissão ao vivo para todo o país pela Rede Evangelizar. Também levou sua música para outras cidades paranaenses, para o Festival de Inverno de Campos do Jordão (SP) e à Sala São Paulo, na capital paulista.

A música popular brasileira ganhou os palcos com os concertos dos grupos Orquestra À Base de Corda, Orquestra À Base de Sopro, Coral Brasileirinho, Coral Brasileiro e Vocal Brasileirão, e ainda com bate-papos, oficinas e rodas de samba, choro e música caipira no Conservatório de MPB. O Conservatório recebeu anualmente cerca de 900 alunos para aulas de instrumentos e de práticas de conjunto. Também o Teatro do Paiol foi palco da MPB, especialmente de músicos curitibanos selecionados pelos programas Paiol Musical e Terça Brasileira.

Cinema – A inauguração do Cine Passeio foi a principal realização na área do audiovisual. Foi quase um ano de atividades intensas, interrompidas pela pandemia, mas que já conquistaram o público curitibano.

As Salas Luz e Ritz, cuja programação é montada por uma curadoria especial, ofereceram um cardápio diversificado e representativo do cinema brasileiro e internacional da melhor qualidade. O Estúdio Valêncio Xavier recebeu importantes profissionais do audiovisual em palestras e masterclasses. Fizeram sucesso as sessões matinês dedicadas ao público infantil aos domingos, as sessões da meia-noite às sextas-feiras, e o cinema ao ar livre, no terraço do Cine Passeio.

A Cinemateca e o Cine Guarani também promoveram exibições de filmes e mostras de cinema. A Cinemateca também promoveu várias edições do Cinema nos Bairros.

Literatura – O programa Curitiba Lê completou dez anos em 2020 com o lançamento do Curitiba Lê App. Disponível gratuitamente em smartphones e tablets, ele oferece aos cidadãos o acesso fácil a obras literárias de autores de Curitiba e a mais de 200 livros de domínio público da literatura universal. Estão disponíveis títulos de autores contemporâneos de Curitiba, cujos direitos autorais foram adquiridos para publicação no app pelo período de um ano.

Nesses quatro anos, as Casas da Leitura desenvolveram atividades de incentivo à leitura, rodas de leitura, oficinas de criação literária e os clubes de leitura do vestibulando. Em 2019, grandes nomes da literatura nacional contemporânea, como Maria Valéria Rezende, José Castello e Rosana de Mont’Alverne, participaram da Semana Curitiba Lê. Naquele ano o programa foi um dos finalistas do 4º Prêmio Retratos da Leitura, promovido pelo Instituto Pró-Livro (SP).

“Sou muito grato ao pessoal da Casa da Leitura. Seria um gasto grade comprar esses livros recomendados para o vestibular ou os que li antes e ajudaram na minha bagagem cultural, na hora do concurso”, observa Guilherme de Toledo Rocha. Ele foi aprovado em Arquitetura na UFPR e frequenta a Casa da Leitura Walmor Marcellino desde que começou a ler.

Dança – A Casa Hoffmann foi palco de inúmeros espetáculos, cursos, workshops e residências. Foram destaques as comemorações do Mês da Dança (em abril) e a Mostra Solar. Pelo programa Aulas Continuadas, aulas de dança gratuitas foram ministradas por artistas locais. O circuito Dança nos Bairros, para crianças e adolescentes, fortaleceu esta linguagem artística nas regionais. E o programa Portas Abertas, oferecido pelos coletivos de dança, aproximou a comunidade da dança. Com entrada gratuita, qualquer pessoa pôde participar ou simplesmente contemplar as atividades coreográficas.

Teatro – Além da Praça do Circo, no Parque Náutico, no Alto Boqueirão, cerca de 100 mil pessoas passaram pelas oficinas de artes circenses e pelos espetáculos do Circo da Cidade Zé Priguiça.

O Teatro Novelas Curitibanas manteve programação permanente, acolhendo 57 companhias teatrais. O teatro recebeu o nome da atriz Claudete Pereira Jorge e sediou espetáculos, mostras teatrais, oficinas e rodas de conversa. Um destaque foi a vinda, em 2018, da atriz Fernanda Montenegro para o lançamento de sua fotobiografia, ocasião em que recebeu do prefeito Rafael Greca a comenda da Ordem da Luz dos Pinhais.

Artes Visuais – Além das mostras selecionadas por meio dos editais, foram destaque a 13ª e a 14ª edições da Bienal de Arte de Curitiba, em 2017 e 2019.

Em 2017, o Museu Municipal de Arte recebeu uma coletânea de artistas chineses e a cidade foi presenteada com a doação pelo governo chinês da estátua de Confúcio, no Centro Cívico. Em 2019, com o tema “Fronteiras em Aberto”, a Bienal enfatizou a produção artística dos integrantes do grupo BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Outros destaques foram a mostra “Sérgio Ferro: Um artista curitibano, brasileiro e universal”, aberta com a presença do artista, a mostra inédita de pinturas do artista italiano Nini Policapelli, e a exposição de obras de Tomie Othake, todas no Memorial de Curitiba.

A Gibiteca promoveu mostras, encontros, bate-papos e lançamentos, sendo ponto de encontro de desenhistas, ilustradores e representantes da cultura geek. Realizou as edições da Mostra Traços Curitibanos e teve importante participação como parceira da Bienal de Quadrinhos de Curitiba. Em 2019, recebeu um convidado ilustre do mundo das HQs, o artista inglês David Lloyd.

Etnias – Criada nesta gestão, a Coordenação de Etnias organizou ações de valorização da diversidade cultural da cidade. O principal programa é o Pavilhão Étnico, que promove a apresentação artística de grupos folclóricos no Memorial de Curitiba. Também estão entre suas atribuições a programação nos Memoriais Ucraniano (Parque Tingui) e Polonês (Bosque do Papa).

Regionais – Os Núcleos Regionais da Fundação Cultural de Curitiba ofereceram cursos de música, dança, teatro e artes visuais, além dos programas MusicaR, Nosso Canto e Atuarte. O Nosso Canto é um dos mais procurados e está presente nas 10 regionais para promover técnica vocal e formação de corais, reunindo 570 participantes.

Os núcleos também coordenam as atividades de contrapartida dos projetos contemplados nos editais do FMC e do Mecenato Subsidiado. Cursos, oficinas e espetáculos são oferecidos gratuitamente pelos artistas beneficiados com o apoio financeiro recebido por meio dos editais. Em 2017, os eventos de contrapartida social atraíram 42 mil pessoas; em 2018, 59 mil; e em 2019, 66 mil.

Nesses quatro anos, as Ruas da Cidadania, escolas e espaços culturais dos bairros foram palco de ações como o Boqueirão Fashion Day, o Boqueirão Encena, o Tatuartfest, os desfiles dos Bonecos Gigantes, além das encenações didáticas para os alunos da rede municipal de ensino nas principais datas comemorativas.

Programas – Curitiba ganhou dois ônibus adaptados que levam arte e cultura para toda a cidade. Viabilizados por meio de uma parceria entre o Solar do Rosário, a Secretaria Municipal da Educação e a Fundação Cultural de Curitiba, o Ônibus Palco serve a apresentações de teatro, dança e folclore, enquanto o Ônibus Museu apresenta conteúdos de museus de Curitiba e do mundo de maneira interativa.

O Rede Sol, um dos mais antigos programas realizados pela Fundação Cultural de Curitiba, completou 22 anos de apresentações com artistas voluntários em hospitais, lares de idosos, escolas especiais, centros de atenção psicossocial e orfanatos. Cerca de 50 voluntários contribuem nessa missão. Em 2019, no Dia Nacional do Voluntariado (28/8), o prefeito Rafael Greca homenageou os artistas numa cerimônia no Salão Brasil da Prefeitura e que contou também com a presença da primeira-dama, Margarita Sansone, idealizadora do programa criado em 1997, quando era presidente da Fundação Cultural.

A conscientização ambiental é atribuição do programa Nós e o Meio Ambiente, também um dos mais antigos da FCC. Desde 2008 ele promove ações e oferece cursos sobre práticas sustentáveis. Sua programação se integra aos eventos e festivais promovidos pelo município. É o caso da Oficina Verde, que acontece junto com a Oficina de Música de Curitiba.

Fundação trabalha para minimizar efeitos da pandemia na classe artística

A partir de março de 2020, quando foram detectados os primeiros casos de covid-19 em Curitiba, obrigando a adoção de medidas de distanciamento social, a Prefeitura e a Fundação Cultural desenvolveram ações para minimizar os efeitos da suspensão das atividades e fechamento dos espaços culturais junto aos artistas e ao público. Desde então houve vários projetos emergenciais para apoiar economicamente os trabalhadores do setor. As ações englobam todas as linguagens artísticas e de patrimônio no programa FCC Digital. Elas são ofertadas por meio das plataformas digitais.

A Camerata Antiqua de Curitiba, a Orquestra de Câmara Cidade de Curitiba e o Coro da Camerata Antiqua de Curitiba fizeram concertos online inéditos. Os grupos do Conservatório de MPB – Orquestra à Base de Sopro, Orquestra à Base de Corda, Coral Brasileirinho, Vocal Brasileirão e Grupo Brasileiro também estiveram engajados nesta proposta e todos os grupos se uniram para uma homenagem ao músico João Lopes.

A Orquestra à Base de Sopro lançou um vídeo executando “Partido Alto”, de Jacob do Bandolim. O Vocal Brasileirão produziu um vídeo com a participação de Ivan Lins. Um coro de crianças do Projeto MusicaR fez uma apresentação online com Danilo Caymmi.

O Conservatório lançou também uma série de entrevistas do maestro João Egashira e convidados. A série abriu com um bate-papo sobre música como cavaquinhista Julião Boêmio.

O Cine Passeio se adaptou à nova realidade com o projeto multimídia Passeio em Casa. Além de duas novas plataformas para exibir filmes selecionados – as salas de cinema virtual Cine Vitória e Cine Plaza, a iniciativa abrange o podcast Passeio e as masterclasses Conversas sobre Cinema. O acesso é grátis e pode ser feito pelo www.cinepasseio.org.

A Casa Hoffmann lançou o projeto @studiovirtual, oferecendo cursos de dança online, e colocou no ar o site https://casahoffmann.org/, onde é possível escolher os eventos para acompanhar, além de conhecer o acervo de livros, revistas, vídeos e memórias de eventos do espaço. A Casa Hoffmann também ganhou página nova no Facebook e canal no Youtube.

Foi lançada a plataforma digital do programa Curitiba Lê – Curitiba Lê App. Integrado ao Curitiba App, está disponível gratuitamente em smartphones e tablets, oferecendo aos cidadãos, em tempos de pandemia, opções de leitura de qualidade. Mediadores das Casas da Leitura divulgaram vídeos em que comentam sobre obras e autores, assim como faziam em rodas de leitura e contações de histórias que aconteciam enquanto as unidades estavam abertas ao público.

Os núcleos regionais da Fundação Cultural passaram a oferecer aulas pela internet. Vídeos, tutoriais e aulas transmitidas pela internet mantêm os alunos conectados às técnicas e aprendizados de aulas de música, teatro, dança, pintura, desenho, entre outros cursos.

No Conservatório de MPB, as aulas teóricas, de instrumentos e de canto são realizadas via grupos online. Da mesma forma, professores ensinam técnicas de desenho e história em quadrinhos a alunos da Gibiteca.

Torneios e campeonatos de xadrez também migraram para as telas de computador. Foi assim com a Copa de Xadrez On-line Alexandre Direne. A criação do ambiente virtual reuniu os cerca de 600 enxadristas de todas as idades do clube.

Na área de patrimônio cultural, a FCC Digital abriu a sua plataforma no sistema Pergamum, permitindo a consulta on-line do acervo histórico e artístico do município. Foram ainda disponibilizadas as exposições virtuais “Curitiba Tempo e Memória” e “Presença negra em Curitiba”. Com a ajuda de fotografias e vídeos, os roteiros realizados pelo setor de Ação Educativa da Fundação Cultural podem ser acessados pela internet. Já foram disponibilizados o roteiro de Murais de Poty Lazzarotto e o do Solar do Barão.

Editais emergenciais

A Prefeitura lançou quatro editais emergenciais, para seleção de conteúdos audiovisuais e divulgação nas redes sociais da FCC e no Coreto Digital. Artistas de todos os segmentos e linguagens puderam se inscrever. Foram editais abrangentes. Além dos próprios artistas, eles atenderam aos técnicos da área da cultura.

Foi destinado R$ 1,1 milhão para três editais que beneficiaram 735 produtos culturais, no valor de R$ 1.500 cada. Um dos editais foi elaborado para atender exclusivamente os músicos. Por meio do Icac também foi lançado um edital exclusivo para grupos musicais no valor de R$ 100 mil. Foram selecionadas 35 propostas, beneficiando em torno de 150 artistas.

A Fundação cuidou da implementação em Curitiba da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, que destinou R$ 12 milhões para o município. A FCC ficou encarregada da elaboração do edital para liberação de recursos aos espaços artísticos independentes e do edital de fomento da produção cultural. Para tanto, realizou um mapeamento prévio dos espaços culturais privados existentes na cidade. Esses recursos foram destinados a dois editais – um de subsídios e outro de fomento. No primeiro foram 160 inscritos e no outro, 1330.

O Conselho Municipal de Cultura teve atuação de destaque nos editais emergenciais, facilitando o diálogo da classe artística com o poder público na busca de soluções para o setor.

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: Fundação Cultural de Curitiba

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar