06.06.2011Últimos dias para conferir exposições em cartaz no Museu da Gravura

Ainda dá tempo para apreciar as exposições que a Fundação Cultural de Curitiba promove no Museu da Gravura. Até o dia 21 de agosto, permanece em cartaz a mostra em homenagem aos 50 anos da morte de Oswaldo Goeldi, um dos principais representantes da arte da gravura no Brasil, além das mostras individuais de Hélio Fervenza, Rômolo, Newton Goto e Loizel Guimarães.

Ao lado das xilogravuras de Goeldi, estão expostos trabalhos de artistas que adotaram a mesma técnica: Lívio Abramo, Poty Lazzarotto, Fernando Calderari, Raul Cruz, Cláudio Mubarac, Abraão Debrito, Rettamozo, Jayro Schmidt e Regina Owlweiller. O projeto de homenagem ao artista inclui a concessão de bolsas-ateliê a dez artistas que queiram desenvolver práticas de xilogravura no ateliê do Museu, com o apoio técnico de seus instrutores. O período de vigência das bolsas é de agosto a novembro, finalizando com uma exposição dos trabalhos realizados. O Centro de Documentação e Pesquisa colocará ainda à disposição do público, para consulta, uma série de publicações sobre a obra de Oswaldo Goeldi.

O artista Newton Goto, que concorreu e foi selecionado no edital de ocupação de espaços expositivos da Fundação Cultural, comanda a exposição “Coisa Pública”, abrangendo parte de sua produção anterior e obras recentes. Em “Mar e Terra”, Loizel Guimarães apresenta uma única grande xilogravura, com 2,75m x 1,30m de dimensão. No segmento das histórias em quadrinhos, o artista gráfico Rômolo reúne desenhos, pinturas e publicações na Gibiteca de Curitiba.

Memorar - Hélio Fervenza, artista gaúcho, assina a exposição “Memorar”, uma síntese do estado atual da sua produção artística, que diz respeito às noções de lugar e espaço, e ao modo como uma determinada proposta artística se relaciona com a apresentação dentro de um espaço expositivo. Para o Museu da Gravura, o artista elaborou um projeto inédito, especialmente concebido para algumas salas situadas no edifício mais antigo do Solar do Barão.

A exposição é constituída de uma instalação, na qual é utilizada repetidamente a palavra Esqueci escrita em diferentes fontes tipográficas e que correspondem a diversos períodos históricos (Garamond, Futura etc.). Cada palavra assim escrita foi perspectivada e alterada visualmente, e depois recortada em vinil adesivo em cores próximas às existentes na antiga arquitetura das salas do Museu, e em tamanhos diversos, que medem entre 10 cm e 1 m de largura. Busca-se uma interação com o espaço de exposição do Museu da Gravura, no Solar do Barão, tanto no que diz respeito a sua arquitetura (paredes, piso etc), quanto no que se refere aos aspectos conotativos e simbólicos.

A convite de Hélio Fervenza, a exposição tem a participação especial de duas artistas, cujos trabalhos dialogam com a proposta. O primeiro é a projeção do vídeo de Maria Ivone dos Santos, intitulado Três Questões. O segundo trabalho é o projeto Senha, de Didonet Thomaz.


Serviço:

Projeto Goeldi e individuais de Hélio Fervenza, Newton Goto, Rômolo e Loizel Guimarães.

Local: Museu da Gravura Cidade de Curitiba – Solar do Barão (Rua Carlos Cavalcanti, 533- Centro)

Data: até 21 de agosto de 2011.

Horário: de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 18h; sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h

Entrada franca

Informações: (41) 3321-3269

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: Fundação Cultural de Curitiba

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar