27.01.2020Oficina de Música fez Beethoven abraçar Pixinguinha, diz Greca

 Mais de 2 mil pessoas lotaram a plateia, os dois balcões e os camarotes do Teatro Guaíra, neste domingo (26/1), para assistir ao concerto sinfônico de encerramento dos 12 dias de intensa atividade da 37ª Oficina de Música de Curitiba.

O prefeito Rafael Greca e a primeira-dama, Margarita Sansone, prestigiaram o evento, que colocou no palco 100 instrumentistas, 400 cantores adultos e infantis e quatro regentes – a maioria formada por alunos das classes de instrumentos, canto e regência do evento.

“A Oficina fez Beethoven abraçar Pixinguinha, Bach conversar com Patápio Silva e os grandes mestres da música imortal do Oriente conversarem com os nossos chorões Julião Boêmio e João Egashira. Margarita e eu estamos muito emocionados”, disse Greca, para quem “Curitiba há de ser construída sobre as harmonias, a música que destrói os pesadelos da vida”.

O maestro Abel Rocha e a maestrina Mara Campos dirigiram o espetáculo, que teve a participação de nomes como da regente Natália Larangeira e dos cantores líricos Rosana Lamosa Araiadne Oliveira, Paulo MAndarino e Cláudio di Biaggi.

Alunos com deficiência das turmas de inclusão e das classes do violinista cego Luiz Amorim dividiram a plateia com o público que aprecia boa música e representantes dos apoiadores do evento, como os gestores da Caixa Econômica Federal Waldemir Roberto dos Santos (superintendente regional) e Pascoal Zani (gerente regional).

As 90 crianças do programa MusicaR – iniciativa da Fundação Cultural que oferece aulas de canto nas Administrações Regionais da cidade – também participaram da apresentação e arrancaram aplausos do público.

Homenageado da 37ª edição da Oficina de Música, no ano em que se completam 250 anos do seu nascimento, o compositor erudito alemão Ludwig von Beethoven teve o primeiro movimento de sua Sinfonia nº5 regida pelo professor e regente boliviano Israel Torrez.

O jovem regente, de 33 anos, passou cinco dias viajando para chegar ao evento da forma mais acessível: de ônibus. Encantado com o esforço e o talento do jovem músico, o prefeito ofereceu passagem aérea para o retorno a La Paz.

O evento também homenageou os 50 anos do Movimento Armorial – iniciativa incentivada pelo escritor e dramaturgo Ariano Suassuna que propõe a aproximação entre as manifestações ditas populares e eruditas. Foi de Clóvis Pereira, um dos expoentes do movimento, a composição que abriu o concerto da noite – Abertura Festiva, regida por Jean Molinari.

Presenças
Estiveram presentes no concerto de encerramento Ana Cristina de Castro, presidente da Fundação Cultural de Curitiba; Marino Galvão Júnior, presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura; Waldemir Roberto dos Santos, superintendente regional da Caixa Econômica Federal; Pascoal Zani, gerente regional da Caixa Econômica Federal; Serginho do Posto, vereador de Curitiba, João Egashira, diretor de MPB da Oficina de Música; Janete Andrade, diretora geral da Oficina de Música e o músico Danilo Caymmi.

Parceiros
A 37ª Oficina de Música de Curitiba foi uma realização da Prefeitura de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba, do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (Icac), da Secretaria Especial da Cultura, Ministério da Cidadania e governo federal.

O evento teve patrocínio máster da Caixa Econômica Federal, apoio cultural da Família Farinha, Comunidade Luterana Igreja de Cristo, Igreja Bom Jesus dos Perdões, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), Bicicletaria Cultural, Universidade Federal do Paraná, Lamusa – Laboratório de Música Antiga da Universidade Federal do Paraná, Sistema FIEP, Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PROEC), HOG The One Curitiba, Solar do Rosário, Casillo Advogados e apoio máster do Teatro Guaíra e Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: SMCS

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar