31.03.2019Memorial de Curitiba tem exposições sobre a cidade

A sexta-feira (29/3), dia em que Curitiba completou 326 anos, foi marcada por uma série entregas de serviços e comerações da Prefeitura e encerrada no Memorial da Cidade, no Centro Histórico. Ali, foram inauguradas três exposições sobre a cidade. Foi onde, também, o prefeito Rafael Greca assinou a lei municipal 15.388, que institui o Programa Rosto da Cidade de Combate à Poluição Visual, e o decreto que designa membros para avaliação de relevante interesse para a recuperação da paisagem, previsto no artigo 5º do mesmo texto legal.

“A cidade estava para cair quando assumimos a Prefeitura, com vários monumentos sendo perdidos para os atos de vandalismo e imóveis maltratados pela falta de cuidado. Esse tempo terminou”, disse o prefeito.

As exposições, organizadas pela Fundação Cultural de Curitiba, mostram mosaicos, esculturas de bronze restauradas (ambas no térreo do Memorial) e a intitulada Curitiba: Tempo e Memória (3º piso).

Reconhecimento

Acompanhado da presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro, Greca visitou todos os ambientes do espaço cultural e elogiou o empenho da equipe técnica envolvida. “Esse gesto de salvar o que ia se perdendo, além de promover o conhecimento e o respeito pela história, significa ter amor pela cidade”, observou.

A visitação às exposições foi encerrada com a encenação do Auto de Fundação de Curitiba e o concerto para canto gregoriano e orquestra Te Deum Laudamus, com a Camerata Antiqua. A peça foi composta pelo brasileiro Luís Álvares Pinto no século XVIII.

Representando os músicos, o violinista Francisco de Freitas Júnior agradeceu a Greca pelo cuidado dispensado à Camerata. “O agradecimento é meu, por levarem ao mundo o nome de Curitiba”, observou Greca.

Presente e presenças

Greca deixou o Memorial levando para casa um presente: o livro Cidades Para as Pessoas, do arquiteto e urbanista dinamarquês Jan Gehl, entregue pelo comandante da 5ª Região Militar do Exército, general de brigada Aléssio de Oliveira da Silva, e sua mulher, Jaqueline Silva. “A ideia é inspirar o prefeito, com seu amor e poesia por Curitiba, a trazer mais luz aos pinhais de Curitiba”, explicou o militar, que é de Salvador (BA) e fã declarado de Curitiba.

Participaram do evento os secretários municipais Marilza Dias (Meio Ambiente), Rodrigo Rodrigues (Obras Públicas), Maria Sílvia Bacila (Educação) e Emílio Trautwein (Esporte, Lazer e Juventude); os presidentes da Fundação de Ação Social (FAS), Thiago Ferro, e do Instituto Curitiba de Saúde (ICS), Dora Pizzatto, a procuradora-geral do município, Vanessa Volpi; o presidente da Câmara Municipal, Sabino Picolo e o líder do prefeito no legislativo municipal, Pier Petruzziello.

 

Aproveite o fim de semana para ver as exposições

Curitiba de ontem, hoje e amanhã

Um passeio por Curitiba desde a pré-história até os dias atuais é a proposta da exposição permanente Curitiba: Tempo e Memória, no 3º andar do Memorial de Curitiba. Concebida como um evento cultural e didático, ela começa colocando os visitantes para interagir com a chamada Ave do Terror – um dos animais de grande porte que habitaram a região de Curitiba há cerca de 40 milhões de anos.

Fruto de seis meses de pesquisa e dois de montagem, Tempo e Memória também apresenta documentos manuscritos, fotografias, filmes com sobreposição de imagens antigas e atuais e réplicas de obras de arte. É o caso da primeira imagem de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais e de quadros pintados por Theodoro de Bona.

Esses recursos ajudarão os visitantes a ver a evolução da cidade, desde a fauna pré-histórica aos paleoíndios que caminharam pelo atual solo curitibano, há cerca de 15 mil anos, conhecer a formação de Curitiba desde a fundação, em 1693, e percorrer os ciclos econômicos da mineração, do tropeirismo e da erva-mate.

Também ganha destaque na mostra a presença dos imigrantes europeus que chegaram à cidade depois dos portugueses e dos afrodescendentes, ajudando a mudar o rosto da antiga capital da província do Paraná, no século 19, para a cidade de quase 2 milhões de habitantes que se tornou referência mundial em inovação.

 

Esculturas de bronze recuperadas

A exposição com 24 esculturas de personalidades ligadas à história do Paraná e do Brasil pode ser vistas no térreo do Memorial. Feitas em liga de bronze, as peças foram retiradas temporariamente de logradouros da cidade para serem recuperadas. Entre elas estão bustos e hermas que foram alvo de vandalismo e, por isso, foram retiradas de praças e jardins públicos.

Apesar da antiguidade das peças, nenhuma havia sido restaurada. O trabalho foi executado pelo artista visual e restaurador Elvo Benito Damo.

Monumentos:

Claudino dos Santos, na Praça João Cândido

Romário Martins, na Praça Santos Dumont

Plínio Alves Monteiro Tourinho, na Praça Santos Andrade

Padre Ildefonso Xavier Ferreira, na Praça Santos Andrade

Carlos Gomes, na Praça Carlos Gomes

Raul Messing, na Boca Maldita

Emílio de Menezes, na Boca Maldita

Emiliano Perneta, na Boca Maldita

Alfredo Parodi, na Praça Rui Barbosa.

Dante Alighieri, no Memorial de Curitiba

Lysimaco Ferreira da Costa, na Praça Santos Andrade

Abilon Souza Naves, no Jardinete Zeferino Krukoski

Alfredo Andersen, na Praça Alfredo Andersen

Maria Polenta, no Jardinete Maria Polenta

Santos Andrade, na Praça Santos Andrade

Julia Wanderley, na Praça Santos Andrade

Visconde de Guarapuava, Praça Eufrásio Correia

Teixeira Soares, Praça Eufrásio Correia

Leôncio Corrêa, Boca Maldita/Praça Osório

Barão do Serro Azul, na Praça Miguel Couto

Victor Ferreira do Amaral, na Praça Santos Andrade

O Filósofo, no Memorial de Curitiba

Marechal Castelo Branco, na Praça Nossa Senhora de Salete

Zacarias Góes de Vasconcelos, na esquina da Marechal Deodoro com Rua Doutor Muricy

 

Cenas curitibanas em mosaicos

Instalados na entrada do Memorial pela Rua do Rosário, 12 mosaicos de 1 metro quadrado cada um, feitos a partir de cenas curitibanas retratadas pelo fotógrafo Guilherme Pupo, foram doadas ao Memorial pelos 19 mosaicistas criadores dos trabalhos. Eles foram criados para a 2ª Bienal de Mosaico, em 2017, e até então estavam expostos no interior do espaço cultural. Agora, podem ser apreciados por quem passa pela Rua do Rosário.

Os mosaicistas são: Bea Pereira, Denise Marcelino, Fernanda Czelujinski, Fernando de Sales Varella, Helô Monteserrat, Leão Moliterno, Leoni Trevisan Kusma, Luciana Mussini, Luiz Moacir Júnior Havrechak, Magaly Floriano, Mary Dacol, Mauro Dacol, Mônica Lebois, Nelson Martins, Patrícia Ono, Paulo Rogério Biscaia, Rosangela Kusma Gasparin, Schandra Julia Zmijeski e Yara Camargo.

 

Serviço: exposições sobre Curitiba

Local: Memorial da Cidade, Centro Histórico, São Francisco

Visitação: de terça-feira a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 18h. Sábados, domingos e feriados, das 9h às 15h

Entrada gratuita

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: Fundação Cultural de Curitiba

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar