09.08.2019Litercultura aborda o tema fronteiras com cinco autores consagrados

Com a proposta de refletir as questões contemporâneas sob diferentes óticas, o Litercultura – Festival Literário 2019 chega a sua sétima edição de 12 a 16 de agosto, na Capela Santa Maria. A entrada é gratuita, a bilheteria será aberta no dia de cada conferência, a partir das 17h30.

Face ao aumento no número de refugiados em todo o mundo, o festival propõe como tema “fronteiras”, reunindo literatura feita em diversos países e contextos. Na programação, cinco painéis com autores de quatro nacionalidades.

Esse ano, o evento estende sua dinâmica também para ações integradas relativas ao tema. Todos os dias, às 18h, haverá vendas de livros, gastronomia étnica e apresentações de música, poesia, performance e mostra de cinema.

Autores convidados
Expoentes da palavra se apresentarão no palco principal a partir das 20h. Foram convidados a escritora e jornalista atuante na editoria internacional Patrícia Campos Mello; o escritor colombiano Juan Cárdenas; o romancista brasileiro Bernardo Carvalho; o roteirista e escritor cubano Leonardo Padura; e a escritora e jornalista italiana, de família de imigrantes somali, Igiaba Scego.

Dinâmica e livro
Com curadoria do jornalista e crítico Manuel da Costa Pinto e direção-geral de Manoela Leão (Gusto Produção Cultural), o Litercultura 2019 aborda temas contemporâneos tanto na literatura quanto na cultura de modo mais amplo. “Fronteiras é um tema muito extenso, que vai desde as questões geopolíticas atuais até as mais pessoais e simbólicas – humanas, psicológicas, emocionais. A nossa ideia não é esgotar o assunto e sim contribuir para a formação de uma consciência coletiva”, afirma Manoela.

Os autores falarão ao público a partir de um texto autoral produzido por eles, por meio do qual discutirão seus pontos de vista específicos sobre o tema das fronteiras. Todos os textos serão reunidos em livro, a ser publicado pela Editora Dublinense ainda em 2019.

Já a programação integrada é a oportunidade de o público ter contato com outras manifestações artísticas que ajudam a refletir sobre as diferenças culturais, muitas surgidas em decorrência do refúgio como o Trio Alma Síria, cujos integrantes vieram de Alepo e as leituras dos integrantes do Programa Política Migratória e Universidade Brasileira da UFPR.

O gran finale desta programação fica por conta do já consagrado e provocador André Abujamra.

Os autores (conferências realizadas sempre às 20h)

- 12/8: Patrícia Campos Mello (Brasil): Repórter e colunista da Folha de S. Paulo. É autora de Lua de Mel em Kobane, que conta a improvável história de um casal de sírios que, separados por 2,5 mil quilômetros, se apaixonou pela internet e arriscou a vida ao decidir se instalar na cidade de Kobane, sitiada pelo Estado Islâmico” (Companhia das Letras).
- 13/8: Leonardo Padura (Cuba): Nascido em Havana, Leonardo Padura tem nove livros traduzidos no Brasil, com destaque para O homem que amava os cachorros, obra em que o autor narra a história do assassinato do líder soviético Leon Trótski, valendo-se para isso de três narradores, entre eles assassinado e assassino. Padura é autor premiado internacionalmente – Prêmio Nacional de Literatura de Cuba e o Princesa de Asturias.
- 14/8: Bernardo Carvalho (Brasil): Um dos mais destacados romancistas da literatura brasileira atual. Autor de mais obras, recebeu diversos prêmios entre os mais importantes da literatura em língua portuguesa, como o Jabuti, APCA e Portugal Telecom. O filho da mãe, romance de 2009, por exemplo, narra a trajetória de muitas mulheres, mães, que buscam “livrar seus filhos da guerra, da solidão e do crime” (Companhia das Letras).
- 15/8: Juan Cárdenas (Colômbia): Juan Sebastián Cárdenas nasceu em Popayán, na Colômbia. É tradutor e escritor, ainda sem tradução no Brasil, premiado em 2014 por sua obra Los estratos (prêmio Otras Voces, Otros Ámbitos). A obra de Cárdenas põe em evidência “o colonialismo e o racismo
- 16/8: Igiaba Scego (Itália): “Igiaba Scego nasceu em Roma em 1974, de família de origem somali. Depois de se formar em literatura estrangeira na Universidade La Sapienza, em Roma, escolheu trabalhar como jornalista e escritora, colaborando com jornais como Il Manifesto e Internazionale, e também com revistas que lidam com assuntos muito próximos dela: imigração e cultura africana. É autora de Minha casa é onde estou e Caminhando contra o vento.
 

Programação integrada (a partir das 18h)
- 12/8: Trio Alma Síria
- 13/8: Cinema – mostra de curtas-metragens
- 14/8: Nosso amor de trincheira, nosso trânsito de fronteira: poemas da poeta e tradutora alemã Uljana Wolf. Leituras de Guilherme Gontijo Flores e Ricardo Pozzo
- 15/8: Literatura de refúgio e música venezuelana: na primeira parte da mostra, poemas de várias nacionalidades lidos por alunos migrantes e refugiados da UFPR que fazem parte do Programa Política Migratória e Universidade Brasileira (UFPR). Na segunda parte, música venezuelana com Ninoska Poletta (voz) e Andres Machado (violão).
- 16/8: Show com André Abujamra

Serviço: Litercultura 2019
Datas: de 12 a 16 de agosto
Local: Capela Santa Maria (R. Conselheiro Laurindo, 273 Centro – Curitiba)
Abertura a partir das 18 horas para a programação integrada. As conferências acontecem às 20h e os ingressos gratuitos podem ser retirados no mesmo dia, a partir das 18h
 

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: Fundação Cultural de Curitiba

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar