Notícias

19.11.2018Restaurado e com incentivo à leitura, Bondinho da XV volta a funcionar

O tradicional Bondinho da Rua XV foi reaberto nesta segunda-feira (19/11) após passar por obras de restauro e melhorias. Conhecido cartão postal da cidade, o espaço retoma as atividades como Bondinho da Leitura, posto de atendimento para o empréstimo gratuito de livros e atividades de incentivo à leitura, desenvolvidos pela Fundação Cultural de Curitiba (FCC).

“O bondinho estava apodrecendo e agora foi recuperado para que fique mais 50 anos alegrando o centro da cidade”, disse o prefeito Rafael Greca. “Ele está aqui desde 1973 para ser uma casa para ensinar às crianças sobre o poder da leitura.”

O prefeito também destacou os esforços que o município vem fazendo para recuperar a região central (e histórica) da cidade, convidanto os presentes para as ações que serão apresentadas esta semana – como o Rosto da Cidade, de preservação de imóveis históricos – e também as atividades natalinas.

“O rosto de Curitiba é sagrado”, disse Greca. “A ideia é que a cidade se afirme como um lugar de paz social, de justiça social, de respeito aos mais pobres e de grande amor pelos mais necessitados, mas que também se afirme como uma cidade limpa, civilizada, segura e muito bem enfeitada. Viva Curitiba, viva o Natal!”

O acervo atual no bondinho conta com mais de 2.500 livros, com títulos para todas as idades, com clássicos da literatura brasileira e universal, além de obras atuais de autores brasileiros e estrangeiros. Há também edições para pessoas com deficiência visual.

Participantes
Sessenta estudantes das escolas municipais Caramuru e Dom Manuel D’Elboux, ambas da Regional Matriz, participaram do evento – foram recepcionados por malabaristas, convidados a entrar no local pelo prefeito e também ouviram histórias contadas pelos mediadores de leitura do local.

Lorenzo Costa, 10 anos, do 5º ano da Caramuru adorou a programação escolar desta segunda-feira. “Estou achando muito legal as contações de histórias e ter um espaço na rua para a leitura”, disse. “Isso dá oportunidade para todo mundo ler.”

Restauro
As obras de restauro e melhorias do bondinho estavam sendo realizadas desde agosto e consumiram R$ 53 mil. Foram substituídos o madeirame estrutural e várias outras partes em madeira que apresentavam problemas. A porta de entrada e o forro existente foram substituídos por material em madeira de lei.

Também foram recuperadas janelas, que ganharam novas persianas, a parte elétrica foi substituída, assim como a iluminação recebeu lâmpadas de LED. O Bondinho recebeu ainda pintura protetiva de todo o conjunto, na estrutura externa e interna, e colocação de nova cobertura em chapa galvanizada, com calhas coletoras nas laterais, e revestimento externo em chapas de cimento.

Durante o trabalho, o Bondinho ficou isolado por tapumes e plotagens que contavam alguns detalhes da história do espaço.

A presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro, lembrou que em 2017 o local recebeu mais de 40 mil pessoas, que utilizaram os livros da sua biblioteca. “Gostaria de agradecer a todos os funcionários que se empenharam para poder realizar esse restauro, funcionários que nos ajudaram a deixar esse bondinho tão bonito”, afirmou.

Incentivo
O bondinho passou a ser usado para leitura em 2010, como local de empréstimos de livros de literatura de forma simples e gratuita. Atualmente, ele também serve a ações de incentivo à leitura, como contação de histórias, rodas de leitura entre outras atividades.

Desde a inauguração, cerca de 260 mil pessoas foram atendidas no local, com mais de 50 mil empréstimos de livros realizados.

Usuários gostam
“A biblioteca do bondinho é muito boa, inclusive para pessoas com deficiência”, afirmou Augusto Nikolaio Neto, que passou pelo local ontem. “Aqui bem no coração da cidade podemos apreciar uma boa leitura. Não é em todo o lugar que nós, que temos deficiência visual, encontramos materiais com texto ampliado e com boa literatura.”

A capixaba Ulyanara Nery Uliana conheceu o bondinho ontem e também elogiou o local. Ela tem baixa visão e só consegue ler livros com texto ampliado ou em áudio. “Fiquei muito feliz. Ainda mais para a gente que é deficiente visual é muito difícil encontrar esse tipo de material. Vou vir aqui mais vezes, com certeza”, disse ela, moradora de Curitiba há poucos meses.

Já o londrinense Jurandir Pereira do Carmo veio a capital para participar da maratona no fim de semana e também aproveitou para conhecer o cartão postal curitibano. Ficou encantado com o espaço e, empolgado, improvisou um poema para o bondinho: “Esse evento que está acontecendo aqui nesta tarde de segunda-feira, dia 20 de novembro, aqui neste calçadão, é a coisa mais linda. Pois é transmitir cultura, pois o bondinho da leitura está aqui e é cultura, é para os amantes da literatura. Pros novinhos, pros velhinhos, para qualquer criatura. Pois ele é doce como o mel e rapadura”, declamou o ex-lavrador e atleta.

História
O bondinho foi instalado na Rua XV em 27 de outubro de 1973, na sequência dos trabalhos de implantação do calçadão da Rua das Flores, com a função de constituir um elemento de animação do coração da cidade.

A proposta era ser local privilegiado para o atendimento de crianças, enquanto os pais ou responsáveis iam às compras ou realizavam outras atividades na área do calçadão. Na segunda metade da década de 1980, funcionou como Serviço de Informações e Turismo de Curitiba. Em 1989, foi recuperado e retomou sua função como espaço cultural.

“No local passavam bondes elétricos desde 1912, que depois foram retirados”, explicou o prefeito.

Presenças
Participaram do evento o vice-prefeito e Secretário de Obras Públicas, Eduardo Pimentel, a procuradora-geral do Município, Vanessa Volpi; o diretor executivo do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC) Marino Galvão Jr, o administrador da Regional Matriz, Dirceu de Matos; e os secretários municipais Emílio Trautwein (Esporte, Lazer e Juventude), Marilza Dias (Meio Ambiente); Maria Silvia Bacila (Educação); além de Tatiana Turra (presidente do Instituto Municipal de Turismo); Elenice Malzon (presidente da Fundação de Ação Social) e José Lupion Neto (presidente da Cohab) e do superintendente do Imap, Felipe Thá de Carvalho.

Compareceram ainda, da FCC, o diretor de Ação Cultural Beto Lanza, o diretor Administrativo e Financeiro Cristiano Morrissy e o diretor de Patrimônio, Marcelo Sutil. Também estiveram presente o presidente Associação de Comércio do Paraná Gláucio Geara e o primeiro vice-presidente da associação, Camilo Turmina, além dos vereadores Dr. Wolmir, Fabiane Rosa e Thiago Ferro.

 

Serviço:
Bondinho da Leitura
Rua XV de Novembro, s/nº, (esquina com Rua Ébano Pereira) – Centro
Horário de funcionamento:
Segunda a sexta-feira das 9h às 18h e Sábado das 10h às 14h.

Autor: Assessoria de Imprensa

Fonte: Fundação Cultural de Curitiba

Compartilhe:

Enviar pelo LinkedIn
imprimir voltar